Acho que já é mais do que seguro dizer que 2015 começou bem.

Já estamos em fevereiro e me lembro vagamente de como eu torci pra 2015 chegar logo. Ano passado foi um ano muito intenso e ruim pra mim e eu botei toda a minha energia desejando que esse ano fosse melhor. Claro que não basta desejar, temos que correr atrás daquilo que queremos que dê certo.

Quando planejei essa viagem em janeiro, já tinha em mente que eu iria aproveitar cada segundo vivido lá com as amizades que fiz e a minha família.

Cada post que escrevo, abro um pouco mais o meu coração e sinto muito orgulho de cada momento vivido. Esse ano prometi a mim mesma a interagir mais, a me arriscar mais, a me abrir mais e é isso que fiz e estou fazendo. Cada foto dessa é a memória de um momento que dei tudo de mim e espero que por mais simples que cada momento seja, dê para perceber por essas fotos o quão especial aquele lugar e aquelas pessoas são.

No fim de janeiro o sol não deu descanso nenhum.

Numa tarde qualquer fomos à praia ensinar um amigo muito especial a nadar. O mar estava cheio e mesmo sendo quase que infinito, não podíamos evitar trombar em algumas pessoas quando as ondas vinham e iam e nos levavam com elas. 

Essa tarde passou tão rápido que pareceu só um figmento da minha imaginação. No fim do dia estávamos todos cansados de tanto nadar e com dor nas bochechas de tanto sorrir.

Numa semana qualquer, essas criaturinhas convenceram a minha mãe e a mim a irmos dar um passeio na praia, sem nenhuma pretensão. Acabei fotografando-as e me divertindo mais do que achei que fosse possível. Quem me conhece sabe que eu sempre tive algo com crianças... nunca me dei muito bem com elas.

Nesse dia, no entanto, percebi que lidar com crianças não é um monstro de sete cabeças. No fim das contas mudei a minha visão sobre crianças no geral – não posso mais afirmar que não me dou bem com elas, cada criança tem uma personalidade diferente (óbvio), mas nada me impede de tentar conhecê-la melhor, heh? :)

Sabrina.

A primeira vez que a vi, disse a ela que ela era a garota mais bonita que eu já tinha visto em toda minha vida e perguntei se um dia ela me deixaria fotografá-la. Ela me disse que não, ela não era bonita e de jeito nenhum eu iria tirar foto dela. 

Eu brinquei e disse que ela estava errada; seus olhos eram os mais exóticos que eu já vi e que eu mataria o primeiro que passasse pra ter olhos como o dela. Ela riu e ficou por isso mesmo.

Um dia, um ano após nosso primeiro encontro, eu dormia na casa da minha mãe quando ela apareceu por lá pedindo para que eu fosse a praia com ela. Eu não tava muito no espírito de ir, mas ela disse que queria ir nadar comigo, então eu fui.

O mar girou e rodopiou a gente com suas ondas. Ela perguntou se eu queria ir à minha praia favorita e disse "você pode tirar foto minha lá, mas eu tenho que ser eu mesma". Pro meu alívio absoluto, uma vez que odeio fazer gente tímida posar pra mim.

Fazer uns retratos da Sabrina era quase uma missão pra mim, mas quando nós nos sentamos nas pedras embaixo do sol forte, eu percebi que ela ainda estava desconfortável apesar de já me conhecer tão bem. Então eu preferi aproveitar sua companhia ao invés de tirar fotos. Ela é uma criança super inteligente.

Fiz uns retratos dela mesmo assim, porque ela é linda e gentil, mas fotografá-la não era mais uma missão e sim um desejo antigo. Tê-la comigo aquele dia foi tão prazeroso. Foi mais do que o suficiente.

Lá pela última semana de férias, fomos com mais frequência a praia. Fiquei praticamente uma tarde inteira dentro do mar.

Claro que a viagem não foi perfeita, como nada no mundo é. Houveram muitas tardes onde eu só ficava em casa, sentada na varanda enquanto ventava muito, ouvindo música dos anos 80 e lendo os mesmos livros o tempo todo.

Acho que o que mais fiz nessa viagem foi ler, na verdade. Uma das coisas que mais amo fazer nessa vida.

Mas eu não consigo evitar essa sensação de que cada momento foi perfeito e bem vivido, porque eu acredito que realmente tenha sido.

Mal posso esperar pra voltar ao ES e explorar bem mais do que só o que tem a minha volta.

Aguardem o próximo post: IT'S SUMMERTIME! - Travel iPhone Diary

Parte I // Parte II // Parte III

1 Comment